Follow by Email

QUEM SOMOS


Servas da
Santíssima 
Trindade

Mosteiro Nossa Senhora
da Santíssima Trindade

 

«Eis a serva do Senhor.

Faça-se em mim

segundo a tua palavra» 

Lc 1,38

 

 


Um pouco de história
 
- A Congregação foi fundada em Rovigo (Itália), em 1930 por Giuseppina Fasolo (Ir. M.Assunta da Trindade), ), com a cooperação do Pe.Agostino Partesani, sacerdote diocesano.
- A finalidade específica da Instituição é dar  glória à Trindade Santa com a oferta de orações e sacrifícios para obter para a Igreja santos e numerosos sacerdotes e interceder por aqueles que se afastaram da comunhão com Deus.
- Em 2 de fevereiro 1950 recebeu o reconhecimento de Direito Pontifício.
- Em 1962, a Madre Fundadora encerrou o seu percurso terreno para ir contemplar a Trindade Sagrada, para cuja glória tinha orientado todasua existência. Em 1976 morreu o Pe. Co-fundador, depois de ter consumado a si mesmo pela Obra e a formação dos seus membros.
- Em 2 de janeiro de 1995, a Congregação foi convidada pela Santa Sé a levar o carisma trinitário-sacerdotal em terra estrangeira. Quatro irmãs partiram em direção ao Brasil e no dia 29 de abril 1995 foi aberto o primeiro mosteiro das “Servas da SSma. Trindade”, na cidade de Maceió (AL).

- Em 25 de outubro de 1999, deu-se a “dedicação da Capela do Mosteiro” e a abertura de uma pequena hospedaria destinada às pessoas que desejam compartilhar com as monjas a experiência do encontro com Deus na Celebração cotidiana da Santa Missa, adoração ao Santíssimo Sacramento e na oração da Liturgia das Horas.
                                         Madre MariaAssunta da Trindade  
                 Fundadora das Servas da Santíssima Trindade


CAPELA DO MOSTEIRO
 
Traços essenciais da nossa vocação
“Que ofereçais vossos corpos como hóstia viva, santa e agradável a Deus:
é este o vosso culto espiritual” (Rm 12,1) Os traços essenciais da vida monástica realizam o “culto espiritual” de que fala S. Paulo e marcam a pertença e o dom que a criatura humana faz de si mesma a Deus. É a Graça de Deus que conduz à participação pessoal no esvaziamento da cruz de Cristo e da Sua vida ressuscitada. Feita assim «semelhante» ao Homem Novo, a monja é imersa no mistério da vida trinitária, antecipação da vida celeste


Fisionomia mariana
 
”Eleitas pela SSma. Trindade para continuar a obra grandiosa da Virgem Maria, a Ela conferida por Jesus vítima sobre a cruz, a fisionomia das Servas é mariana, como é mariana toda a sua vida” (Regra 2). Ao “sim” de Maria pronunciado –na Anunciação em um êxtase de amor e aos pés da cruz em um êxtase de dor – unimos o nosso “sim” , para ser, como o Filho, holocausto de louvor ao Pai na força do Espírito. Esta “imolação” cotidiana cria em nós um vazio que é destinado a acolher mística, mas realmente, a vida de cada sacerdote.

                 A nossa Vida cotidiana
A nossa vida é essencialmente
comunitária, desenvolve-se
como deseja a Tradição
monástica e o Concílio
Vaticano II, dentro dos muros
do mosteiro (clausura).

Na nossa jornada,
alternam-se momentos de:
- Oração pessoal e comunitária

- Trabalho vivido no silêncio

- Dois momentos recreativos
 

A jornada das monjas

   4:30 h
- Despertar
-Laudes
   6:00 h
-  Meditação
   7:00 h
- Eucaristia
   8:30 h
- Hora Terça, Adoração ao SS.mo. Sacramento
  11:00 h
- Hora Sexta
  
  14:00 h
- Hora Nona
- Meditação contemplativa das sete palavras
   de Jesus na cruz.           
- Leitura espiritual
- Adoração ao SS.mo. Sacramento
  18:00 h
- Vésperas
  20:30 h

- Completas

- Ofício das Leituras