Follow by Email

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Natal 2012

Oração
do Santo Padre Bento XVI ao Menino Jesus 


Senhor Jesus,
nós Vos contemplamos menino
e acreditamos que sois o Filho de Deus,
feito homem pelo poder do Espírito Santo
no seio da Virgem Maria.


Como em Belém, também nós,
com Maria, José, os Anjos e os pastores,
vos adoramos e vos reconhecemos
como nosso único Salvador. 


Vós fizestes-vos pobre
para enriquecer-nos com a vossa pobreza;
fazei que nunca esqueçamos
os pobres e todos aqueles que sofrem. 

Protegei as nossas famílias.
Abençoai as crianças do mundo inteiro;
fazei que, entre nós,
reine sempre o amor que nos oferecestes
e que torna a vida mais feliz. 





Ó Jesus, fazei que todos reconheçam
a verdade do vosso Nascimento
para que todos reconheçam
que viestes trazer à humanidade inteira
a luz, a alegria e a paz. 


Vós que sois Deus,
e viveis e reinais com o Pai,
na unidade do Espírito Santo,
pelos séculos dos séculos.

Amém.




Chegou o Natal! Tão esperado!



José e Maria a Mãe de Jesus estavam cheios de maravilha das coisas que se diziam DELE!

Não cessa de nos comover o fato de Deus Se ter feito menino, para que nós pudéssemos amá-Lo, para que ousássemos amá-Lo, e, como menino, Se coloca confiadamente nas nossas mãos.
Sei que o meu esplendor te assusta, que à vista da minha grandeza procuras impor-te a ti mesmo. Por isso venho a ti como menino, para que Me possas acolher e amar.

Temos verdadeiramente lugar para Deus, quando Ele tenta entrar em nós? Temos tempo e espaço para Ele? Porventura não é ao próprio Deus que rejeitamos? Isto começa pelo facto de não termos tempo para Ele.
  Deus tem verdadeiramente um lugar no nosso pensamento?
 Estamos completamente «cheios» de nós mesmos, de tal modo que não resta qualquer espaço para Deus.


A partir duma frase simples como esta sobre o lugar inexistente na hospedaria, podemos dar-nos conta da grande necessidade que há desta exortação de São Paulo: «Transformai-vos pela renovação da vossa mente» (Rm 12, 2).
A conversão, de que temos necessidade, deve chegar verdadeiramente até às profundezas da nossa relação com a realidade.
 
Peçamos ao Senor para que nos tornemos vigilantes quanto à sua presença, para que ouçamos como Ele bate, de modo suave mas insistente, à porta do nosso ser e da nossa vontade.
Peçamos para que se crie, no nosso íntimo, um espaço para Ele e possamos deste modo, reconhecê-Lo também naqueles sob cujas vestes vem ter conosco.
«Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens do seu agrado». Deus é glorioso. Deus é pura luz, esplendor da verdade e do amor. Ele é bom. É o verdadeiro bem, o bem por excelência.



Deus é bom; Ele é o poder supremo que está acima de todos os poderes. Nesta noite, deveremos simplesmente alegrar-nos por este fato, juntamente com os anjos e os pastores.
Só quando a luz de Deus brilha sobre o homem e no homem, só quando cada homem é querido, conhecido e amado por Deus, só então, por mais miserável que seja a sua situação, a sua dignidade é inviolável.

Ajudai a tornarmo-nos homens «do vosso agrado»: homens segundo a vossa imagem e, por conseguinte, homens de paz.
Queremos pedir ao Senhor que nos dê a capacidade de ultrapassar os nossos limites, o nosso mundo; que nos ajude a encontrá-Lo, sobretudo no momento em que Ele mesmo, na Santa Eucaristia, Se coloca nas nossas mãos e no nosso coração.

Os pastores apressaram-se… Uma curiosidade santa e uma santa alegria os impelia. No nosso caso, talvez aconteça muito raramente que nos apressemos pelas coisas de Deus. 
E todavia Ele é a realidade mais importante, o Único que, em última análise, é verdadeiramente importante.

Supliquemos-Lhe para que a curiosidade santa e a santa alegria dos pastores nos toquem nesta hora também a nós e assim vamos com alegria até lá, a Belém, para o Senhor que hoje vem de novo para nós. 
( Da homilia de Bento XVI na Missa do Galo - 24/12/2012)


Reze pelas intenções do Papa neste mês de janeiro
Neste primeiro mês de 2013, o Papa Bento XVI pede orações para que os cristãos conheçam a Cristo e aprofundem sua fé, e faz um pedido especial em prol dos que vivem no Oriente Médio.
 

 Intenções do Papa neste mês de janeiro

Geral: Para que em todo o mundo os migrantes sejam acolhidos, especialmente pelas comunidades cristãs, com generosa e autêntica caridade.

Missionária: Para que Cristo se revele a toda a humanidade com a luz que emana de Belém e que se reflete sobre o rosto de sua Igreja. 


Dos Bispos: Os cristãos reflitam sua identidade de discípulos do Senhor em todas as dimensões da própria vida.


Mariana:
Pedimos à Virgem Maria, a fim de que a Igreja, neste Ano da Fé, veja multiplicar os homens e as mulheres que, sabem dar um testemunho convicto e corajoso do Senhor Jesus.

Sacerdotal: Coração de Jesus, que os sacerdotes façam sobressair sempre a prioridade de Deus e da sua vontade; sejam imitadores de Jesus, manifestando a Sua glória: a glória de amar até ao fim, dando a própria vida pelas pessoas amadas. 

Como intenção geral, o Santo Padre reza "para que, neste Ano da Fé, os cristãos aprofundem o conhecimento do mistério de Cristo e testemunhem a própria fé com alegria".


Número de monjas enclausuradas no país é o maior desde o século 18.

Momento da Profissão Religiosa  perpétua de uma irmã enclausurada.




Desde o século 18 –quando a Igreja Católica tinha enorme projeção social no mundo–, nunca a Ordem das Carmelitas Descalças, à qual pertence Laura, teve tantas mulheres “atrás das grades” como agora.

Uma das maiores do país, a ordem, que se instalou no Brasil naqueles anos 1700, tem hoje cerca de mil monjas. Dez anos atrás, eram 700.

Entre as religiosas clarissas, outra ordem no país, são hoje cerca de 300 mulheres, em 30 mosteiros. Em 1955, eram 59 monjas e três casas.

Também as passionistas, concepcionistas, visitandinas, trapistas e adoradoras estão entre as poucas nas quais mulheres vivem a forma mais radical de isolamento: a chamada clausura papal ou de vida contemplativa.

Ao contrário de freiras que atuam em hospitais e orfanatos, essas religiosas vivem reservadas. “As grades não são para elas não saírem, mas sim para ninguém entrar”, diz frei Geraldo Afonso de Santa Teresinha, 52, das carmelitas.

O pouco contato com o mundo ocorre nas missas. As monjas as assistem em um canto, isoladas por grade. Há ainda o locutório, sala onde as pessoas, por uma tela, podem pedir orações às monjas.

Sair do mosteiro só em caso extremo, para ir ao médico ou ver os pais, quando estão muito doentes. Ainda hoje novos mosteiros femininos são criados, como o das adoradoras perpétuas, em 2009, e o das trapistas, em 2010.

HOMENS

Entre os homens, a clausura radical é menor -no Brasil, só com os monges trapistas e cartuxos. A casa dos trapistas no Paraná foi criada em 1977, com quatro monges americanos. Hoje são 20.

Representantes das ordens são unânimes ao explicar a razão de, no século 21, tantos jovens adotarem esse modo de vida. “O mundo oferece muito, mas coisas passageiras. A clausura oferece algo duradouro, que preenche o vazio”, disse Maria Lúcia de Jesus, das irmãs visitandinas.
(fonte:  http://fratresinunum.com)