Follow by Email

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

A Virgem ao meio dia

A Virgem ao meio dia - Paul Claudel


É um poema muito conhecido, uma bela meditação, de Paul Claudel, com tradução de Dom Marcos Barbosa.
No vídeo, a versão original, em francês.

Meio-dia.
Vejo a igreja aberta e entro.
Mas não é para rezar,
ó Mãe, que estou aqui dentro.
Não tenho nada a pedir,
nada para te dar.
Venho somente, Mãe, para te olhar...
Olhar-te, chorar de alegria, sabendo apenas isto:
eu sou teu filho e tu estás aqui, Mãe de Jesus Cristo!
Ao menos por um momento, enquanto tudo pára,
quero estar neste lugar em que estás, Maria.
Nada dizer, olhar simplesmente teu rosto,
e deixar o coração cantar a seu gosto.
Nada dizer, somente cantar,
porque o coração está transbordando...
Porque és bela, porque és imaculada,
a mulher na Graça enfim restituída,
a criatura na sua hora primeira e em seu desabrochar final,
como saiu das mãos de Deus na manhã de seu esplendor original.
Intata inefavelmente porque és a Mãe de Jesus Cristo,
que é a verdade em teus braços,
e a única esperança e o único fruto.
Porque é meio-dia, porque estás aí,
simplesmente porque és Maria,
simplesmente porque existes.